terça-feira, 27 de fevereiro de 2024

terça-feira, 27 de fevereiro de 2024

Search
Close this search box.

Bolsonaro e Valdemar não podem se falar após operação da PF; entenda

Presidente do PL foi preso por porte ilegal de arma e o ex-chefe do Executivo teve seu passaporte apreendido.

O presidente do PL Valdemar Costa Neto e o ex-presidente da República Jair Bolsonaro (PL) não podem manter contato, inclusive por meio de advogado, segundo a decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Os dois foram alvos da Operação Tempus Veritatis deflagrada na quinta-feira (8) pela Polícia Federal. Ela investiga uma organização criminosa que atuou na tentativa de golpe de Estado e abolição do Estado Democrático de Direito.

Durante a ação, Valdemar foi preso por porte ilegal de arma. A sede do PL em Brasília, que foi alvo de buscas, fica no mesmo prédio em que mora o presidente da sigla.

Bolsonaro, por sua vez, teve seu passaporte apreendido e está proibido de deixar o país. O documento também estava na sede do partido.

Além deles, outros investigados pela operação estão impedidos de manterem contato:

  1. Walter Souza Braga Netto, ex-ministro da Defesa e candidato a vice de Bolsonaro em 2022;
  2. Augusto Heleno, ex-ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI);
  3. Anderson Torres, ex-ministro da Justiça e Segurança Pública;
  4. General Paulo Sérgio Nogueira, ex-comandante do Exército ex-ministro da Defesa;
  5. Almirante Almir Garnier Santos, ex-comandante-geral da Marinha;
  6. General Estevam Cals Theóphilo Gaspar de Oliveira, ex-chefe do Comando de Operações Terrestres do Exército;
  7. Tércio Arnaud Thomaz, ex-assessor de Bolsonaro e considerado um dos pilares do chamado “gabinete do ódio”;
  8. Ailton Gonçalves Moraes Barros, capitão reformado do Exército expulso após punições disciplinares;
  9. Amauri Feres Saad, advogado citado na CPI dos Atos Golpistas como “mentor intelectual” da minuta do golpe encontrada com Anderson Torres;
  10. Angelo Martins Denicoli, major da reserva do Exército que chegou a ocupar cargo de direção no Ministério da Saúde na gestão Eduardo Pazuello;
  11. Cleverson Ney Magalhães, coronel do Exército e ex-oficial do Comando de Operações Terrestres;
  12. Eder Lindsay Magalhães Balbino, empresário que teria ajudado a montar falso dossiê apontando fraude nas urnas eletrônicas;
  13. Guilherme Marques Almeida, coronel do Exército e ex-oficial do Comando de Operações Terrestres;
  14. Hélio Ferreira Lima, tenente-coronel do Exército;
  15. José Eduardo de Oliveira e Silva, padre.
  16. Laércio Vergílio, general de Brigada;
  17. Mario Fernandes, general e ex-secretário-executivo da Secretaria-Geral da Presidência;
  18. Paulo Renato de Figueiredo Filho, jornalista;
  19. Ronald Ferreira de Araújo Júnior, tenente-coronel;
  20. Sergio Ricardo Cavaliere de Medeiros, tenente-coronel.

A operação desta quinta-feira é baseada na delação premiada do ex-ajudante de ordens Mauro Cid. Ela apura a discussão da chamada “minuta do golpe”, encontrada na residência do ex-ministro da Justiça Anderson Torres.

Ao todo, foram cumpridos 33 mandados de busca e apreensão, quatro de prisão preventiva e 48 medidas cautelares.

As buscas aconteceram nos estados do Amazonas, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Ceará, Espírito Santo, Paraná, Goiás e no Distrito Federal.

Com informações da CNN

Veja também
Costureira é morta com tiro na cabeça ao reagir a tentativa de roubo em Medianeira, diz PM

Costureira é morta com tiro na cabeça ao reagir a tentativa de roubo em Medianeira, diz PM

Segundo a polícia, um menor de idade foi apreendido por participação no crime. O menor informou que o disparo foi feito por outro homem, que está desaparecido.

Exportações do complexo soja registraram recorde de volume e receita

Exportações do complexo soja registraram recorde de volume e receita

Embarques do grão, farelo e óleo tiveram aumento de 24,7% em 2023. Contudo, projeções para 2024 são bem menores.

Filha morre três horas depois do pai no Paraná

Filha morre três horas depois do pai no Paraná

Eva Botura cuidava do pai, que era paciente oncológico.