Search
Close this search box.
Search
Close this search box.

El Niño enfraquece e La Nina pode se formar no segundo semestre

De acordo com as projeções estendidas do IRI (International Research Institute for Climate and Society), as anomalias de Temperatura da Superfície do Mar vão atingir a neutralidade no trimestre AMJ (abril, maio e junho/2024), com 66% de probabilidade.
(Foto: Luiz Fernando Cerni/Oeste Notícias)
(Foto: Luiz Fernando Cerni/Oeste Notícias)

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) divulgou dados que mostram que o fenômeno El Niño, responsável pela instabilidade climática intensa no Brasil desde o último trimestre do ano passado, com ondas de calor, chuva na região sul e seca no norte, está enfraquecendo. E, no segundo semestre, o fenômeno La Niña pode voltar a influenciar o clima no Brasil.

O documento é produzido em parceria com a Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) e o Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastre (Cenad) e indica que apesar do El Niño estar classificado atualmente como forte, a intensidade do fenômeno deve mudar de moderada para fraca nos próximos meses.

As previsões de Temperatura da Superfície do Mar (TSM) para a região do Oceano Pacífico Equatorial, produzidas por modelos climáticos globais, indicam alta probabilidade (98%) de que as condições do El Niño continuem a se manifestar nos próximos meses e persistam até, pelo menos, abril de 2024. Contudo, posteriormente, a maioria dos modelos climáticos apontam para o enfraquecimento do fenômeno, variando de intensidade moderada a fraca, com anomalias de Temperatura da Superfície do Mar na região do Pacífico Central inferiores a 1,4ºC.

De acordo com as projeções estendidas do IRI (International Research Institute for Climate and Society), as anomalias de Temperatura da Superfície do Mar vão atingir a neutralidade no trimestre AMJ (abril, maio e junho/2024), com 66% de probabilidade. Já a partir do segundo semestre de 2024, existe possibilidade de formação do fenômeno La Niña, com probabilidade superior a 50%.

Água no solo e vazões dos rios
Em relação à previsão do armazenamento de água no solo, as chuvas observadas nos meses de dezembro/23 e janeiro/24 contribuíram para a elevação nos níveis de umidade no solo em grande parte do Brasil, principalmente no sul da Região Norte, bem como em áreas da região central do País. A previsão do armazenamento de água no solo para o mês de fevereiro/24 indica uma manutenção da umidade no solo, já em grande parte da Região Sul, a previsão indica elevados níveis de umidade.

Não há expectativa de elevação dos níveis de água no solo para o mês de fevereiro/24 nas partes central e leste da Região Nordeste, noroeste da Região Norte e norte da Região Sudeste.

Com informações da Band

Veja também