Terça, 28 de Setembro de 2021
34°

Pancada de chuva

Nova Santa Rosa - PR

Agricultura Paraná

Com vespinhas, IDR-Paraná ajuda a controlar doença que afeta plantios de cítricos

Um projeto experimental do IDR-Paraná distribuiu este ano mais de 650 mil exemplares da vespinha tamaríxia. A liberação desses insetos é uma estrat...

12/09/2021 às 10h00
Por: Redação Fonte: Secom Paraná
Compartilhe:
© IDR
© IDR

Um projeto experimental do IDR-Paraná (Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná-Iapar-Emater) distribuiu este ano mais de 650 mil exemplares da vespinha tamaríxia (Tamarixia radiata) em plantios de cítricos no Estado. A liberação desses insetos é uma estratégia empregada no manejo do huanglongbing (HLB), doença também chamada de greening dos citros.

Causado pela bactériaCandidatus Liberibacter asiaticus, o HLB provoca o aparecimento de folhas amareladas, deformação dos frutos, debilitação geral das plantas infectadas e, consequentemente, queda na produção, informa Ana Maria Meneghin, entomologista e pesquisadora do IDR-Paraná.

O ciclo da doença envolve um pequeno inseto, o psilídeo asiático dos citros (Diaphorina citri), que suga a seiva das plantas é o principal vetor do HLB — ele adquire a bactéria em plantas doentes e a transmite quando se alimenta em folhas de árvores sadias. O HLB se encontra disseminado em importantes regiões produtoras ao redor do mundo. Foi detectada no Paraná em 2006, no município de Altônia, Noroeste do Estado.

Uma das propostas da pesquisa do IDR-PR para manejo da doença é o uso desse “inimigo biológico”, a vespinha tamaríxia, que deposita seus ovos em ninfas (formas jovens) do psilídeo, matando-as. Dessa forma, provoca a diminuição da presença do vetor da bactéria do HLB nos pomares. Essa técnica também tem sido empregada em São Paulo, no México, na Costa Rica, nos Estados Unidos e em outras regiões produtoras de citros. 

Vespinhas de tamaríxia são liberadas em pomares domésticos (tanto em áreas rurais como urbanas), plantios comerciais abandonados e também nas cidades, sobretudo onde há plantas de murta, espécie ornamental que é uma das principais hospedeiras da bactéria e do psilídeo dos citros. 

A liberação das vespinhas é feita dessa forma porque, ao contrário dos pomares comerciais, nesses locais geralmente não se faz aplicação de inseticidas, e o inimigo natural fica “protegido”.

O projeto experimental de produção e liberação começou em 2016, resultado de parceria do IDR-Paraná com a Cocamar Cooperativa Agroindustrial e a empresa Citri Agroindustrial, com articulação da Fundação de Apoio à Pesquisa e ao Desenvolvimento Rural (Fapeagro). Já naquele ano foi realizada a primeira liberação. A multiplicação é feita pelo IDR-Paraná, enquanto os demais parceiros se encarregam da distribuição no campo. 

PRODUÇÃO– O trabalho envolve a contínua produção de mudas de murta, que são podadas, dispostas em gaiolas teladas e depois infestadas com exemplares de psilídeo em fase reprodutiva, para que façam a deposição de ovos.

Isso é necessário porque o inseto se alimenta de folhas tenras. “Os brotos devem ter ao redor de 2,6 cm para maximizar a quantidade de ovos colocados pelo psilídeo”, explica Meneghin. 

Após a deposição, os adultos de psilídeo são retirados com um sugador automatizado, enquanto os ovos evoluem para a fase de ninfa. Em seguida, são introduzidas vespinhas de tamaríxia, que vão depositar seus ovos nas ninfas de psilídeo. As novas tamaríxias obtidas são recolhidas e transportadas para o campo.

“Contamos atualmente com um sistema de criação que permite a produção média de 119 mil vespinhas por mês”, explica Meneghin, acrescentando que esse número varia em função da estação do ano, sendo maior na primavera e no inverno.

As vespinhas são liberadas pelos parceiros em 21 municípios do Norte e 20 do Noroeste. Os locais de soltura têm as coordenadas registradas para posterior acompanhamento.

RESULTADOS – Já foram liberadas mais de quatro milhões de vespinhas desde o início do projeto experimental. Em algumas localidades, chegou a 61% a quantidade de ninfas de psilídeo parasitadas por tamaríxia.

“Isso mostra que pode ser, de fato, uma boa medida auxiliar no manejo do HLB”, afirma o pesquisador Rui Pereira Leite Junior, também do IDR-Paraná. 

Em outras frentes de atuação contra o HLB, ele explica que o IDR-Paraná trabalha em parceria com a Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) e cooperativas no desenvolvimento de cultivares de citros resistentes à doença.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Nova Santa Rosa - PR Atualizado às 13h52 - Fonte: ClimaTempo
34°
Pancada de chuva

Mín. 18° Máx. 34°

Qua 30°C 20°C
Qui 36°C 20°C
Sex 26°C 19°C
Sáb 23°C 17°C
Dom 25°C 15°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Ele1 - Criar site de notícias