terça-feira, 27 de fevereiro de 2024

terça-feira, 27 de fevereiro de 2024

Search
Close this search box.

Senadores aliados a Bolsonaro criticam Moraes e dizem que ação quer inibir oposição

A declaração foi dada durante uma entrevista coletiva com membros da oposição no Congresso Nacional, como os senadores Hamilton Mourão (Republicanos-RS); Magno Malta (PL-ES); Jorge Seif (PL-SC) e o deputado Carlos Portinho (PL-RJ).
(Foto: Reprodução/CNN)
(Foto: Reprodução/CNN)

O senador Rogério Marinho (PL-RN), líder da oposição, afirmou, nesta quinta-feira (8), que o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), não pode ser vítima e julgar as ações que investigam uma organização criminosa que atuou na tentativa de golpe de Estado e abolição do Estado Democrático de Direito.

A declaração foi dada durante uma entrevista coletiva com membros da oposição no Congresso Nacional, como os senadores Hamilton Mourão (Republicanos-RS); Magno Malta (PL-ES); Jorge Seif (PL-SC) e o deputado Carlos Portinho (PL-RJ).

“Este processo atual, uma das principais peças que é a delação do Mauro Cid “é colocada de uma forma muito enfática pelo ministro Alexandre de Moraes de que ele estaria sendo monitorado e que ele seria ao final, aprisionado caso houvesse o pretenso golpe de Estado que ele alega existir nas investigações que ele faz”, disse Marinho.

“Qualquer estudante de direito sabe que quem é vítima não pode investigar, não tem imparcialidade, não tem isenção para estar à frente de um inquérito”, prosseguiu.

Foi deflagrada nesta quinta-feira a Operação Tempus Veritatis pela Polícia Federal (PF). Entre os alvos, estão o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e o presidente do PL, Valdemar Costa Neto.

Durante a ação, Valdemar foi preso por porte ilegal de arma. Bolsonaro, por sua vez, teve seu passaporte apreendido e está proibido de deixar o país. O documento também estava na sede do partido.

Segundo Magno Malta, Moraes precisa ser impedido de julgar o caso.

“Aí eu apelo para os ministros do Supremo. Onde estão os senhores? Vocês têm que o julgar impedido, vocês precisam se reunir e tomar uma decisão pelo Brasil, não é por Bolsonaro, não é pelo PL, é pela democracia”, expressou Malta.

Monitoramento de Moraes
O documento da PF que embasou a operação identificou conversas entre o coronel do Exército Marcelo Câmara e o tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens Bolsonaro, que Alexandre de Moraes era chamado pelo codinome “professora”.

As conversas entre os assessores do ex-presidente mostram que a localização da tal “professora” estava sendo monitorada pela dupla.

“A investigação constatou que os deslocamentos entre Brasília e São Paulo do ministro Alexandre de Moraes são coincidentes com os da pessoa que estava sendo monitorada e acompanhada pelo grupo”, diz trecho da decisão assinada pelo ministro relator da investigação, Alexandre de Moraes.

“Assim, o termo “professora” utilizado por Mauro Cid e Marcelo Câmara seria um codinome para a ação que tinha o Ministro Alexandre de Moraes do Supremo Tribunal Federal e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) como alvo”, acrescenta.

Com informações da CNN

Veja também
Seis indígenas são presos por estupro coletivo contra adolescente no Paraná

Seis indígenas são presos por estupro coletivo contra adolescente no Paraná

Segundo o delegado Emanuel Fernandes Monteiro de Almeida, tanto os autores como a vítima pertencem à aldeia.

PT planeja festa para comemorar seus 44 anos; valor de convite chega a até R$ 20 mil

PT planeja festa para comemorar seus 44 anos; valor de convite chega a até R$ 20 mil

Segundo a secretária de finanças do partido, Janja tem ajudado pessoalmente na organização do evento.

Delegacia falsa é descoberta no interior do RS

Delegacia falsa é descoberta no interior do RS

No local, os agentes encontraram entorpecentes, banner, distintivo, camisetas e insígnia com o símbolo da PC do Rio Grande do Sul (RS).